top of page

sobre o artista

Meu nome é Rafael Prado, nasci em Porto Velho (Rondônia), cidade criada para solucionar a demanda econômica da borracha, na qual a floresta foi cortada por trilhos eletrificados da ferrovia Madeira Mamoré. Desde sua criação passou por diversos processos de colonização.

Sou filho de migrante nordestino atraído pelo garimpo para a região e bisavó de indígenas do baixo Rio Madeira. Pinto o retrato de uma Amazônia permeada por contradições socio-políticas, profundas questões humanísticas e culturais, que ressoam em meu povo até os ossos. A ancestralidade, luta e sobrevivência mesclam-se à beleza e à poesia de uma região tão única e abundante quanto intensa e devastadora.

Rafael Prado3.jpg
Captura de Tela 2022-03-23 às 12.46.58.png

---------------

Desde 2017, participa do ateliê de acompanhamento de projetos com Josué Mattos, no mesmo ano em que integra ao curso de Questões Prático-teóricas da Pintura na Contemporaneidade, com Luiz Ernesto e Bruno Miguel, Escola de Artes Visuais do Parque Lage, e o ateliê Imersões Poéticas, na Casa França Brasil, sob a orientação de Marisa Florido, Cadu, Efraim Almeida e Marcelo Campos. Entre 2013 e 2016, participou de cursos de formação livre, na Escola de Artes Visuais Parque Lage, com Charles Watson Fernando Cocchiarale e Suzana Queiroga. Estudou Desenho Industrial, na UFSM (2010) e graduou-se em Design gráfico pela Universidade Estácio de Sá (2014).

 

dGlNU6ba.jpeg

Prêmio

2018 Prêmio aquisição do 46º Salão de Arte ContemporIanea Luiz Sacillotto, Santo André, SP.

EXPOSIçãO INDIVIDUAL

2022 Órfãos do Eldorado, Nós Galeira , com curadoria de Vânia Leal, São Paulo

2016 Meios sem fins, Centro Cultural Feso PRO Arte, Teresópolis /RJ 

EXPOSIçõES COLETIVAS

2022 Brazilest, East of the Sun and West of the Moon, Monaco

2021 A Mão Reflexiva, Nós Galeria, Curadoria: Mariana Coggiola - Brasília, DF

         Diálogo, Nós Galeria - São Paulo SP

2018 Febre, Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, Rio de Janeiro

2017 Da impossibilidade de transformar osso em ouro, Saracura, Rio de Janeiro
         Miragens, Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, com curadoria de Marisa Flórido

         Além da imagem, Sem Título Arte, Fortaleza, com curadoria de Mariza Flórido.

         Imersões, Casa França – Brasil, Rio de Janeiro com curadoria de Efraim Almeida, Marcelo Campos e Marisa Flórido.

SALõES

2018 46º Salão de Arte ContemporIanea Luiz Sacillotto, Santo André, SP 

2017 68º Salão de Abril Sequestrado, Fortaleza
2016 41º Salão de Arte de Ribeirão Preto – MARP, São Paulo 

bottom of page